sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

BLUR ESTAO DE VOLTA

Já sei que nem todos se regozijam quando alguma banda decide voltar a reunir-se e, mais que não seja, dar uma prenda aos seus fans.
Mas, parece-me que a data de validade dos Blur está ainda longe, e a promessa de voltar a estúdio no próximo ano é, no minimo, excitante.
Em 1996 (porra já lá vão 12 anos), tive a oportunidade de assistir a um magnifico concerto dos Blur no Coliseu dos Recreios em Lisboa, e não vejo a hora de voltar a sentir as mesmas emocoes.
Já não falta muito...
Ah, e adivinha-se nova guerra Oasis vs Blur pelo melhor concerto do próximo verão.

quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

a senate seat for sale



VENDE-SE: lugar de Obama no senado por favores políticos e vantagens económicas. Por favor contactar Blagojevich, governador democrata, illinois.
"I want to send my greetings to Osama Bin Laden and reaffirm my allegiance. I hope the Jihad will continue and strike the heart of America with all kinds of weapons of mass destruction."

Ramzi Binalshibh - guantánamo bay, 09 de Dezembro de 2008.

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

CASAMENTOS 3D

Se por vezes não funciona na mesma dimensão porque não casar em dimensoes diferentes.
Será concerteza mais fácil, ou talvez não?

"In a reflection of Japan's obsession with escaping reality, more than 1,000 people have signed an on-line petition to present to the government to establish a law permitting marriage to comic characters.

Comic books known as "manga", animated "anime" films and on-line virtual reality games have become increasingly popular in Japan, with fictitious characters frequently elevated to celebrity status.

Among the most high profile of manga fans is the current prime minister Taro Aso, who recently complained he had not had time to read any comic books since taking office last month.

The on-line campaign for cartoon marriages was masterminded by Taichi Takashita who claimed he was motivated to pursue the unusual change in law because he felt more at ease in the "two dimensional world" than reality.

"I am no longer interested in three dimensions. I would even like to become a resident of the two-dimensional world," he wrote.

"However, that seems impossible with present-day technology. Therefore, at the very least, would it be possible to legally authorise marriage with a two-dimensional character?" A growing number of Japanese "otaku" geeks are spending an increasing amount of time escaping the social challenges of modern-day life by seeking refuge in the "virtual" two-dimensional reality of manga, anime and on-line games.

While single sex marriage is not permitted in Japan, the popularity of the cartoon-human unions was instantly apparent this week as more than 1,000 were enlisted to the campaign.

Among them, one supporter wrote: "For a long time I have only been able to fall in love with two-dimensional people and currently I have someone I really love.

"Even if she is fictional, it is still loving someone. I would like to have legal approval for this system at any cost."

Cortesia "The Telegraph"

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

WHICH STAGE? MINE



Directamente do outro lado do mundo.

sábado, 22 de novembro de 2008

O PERU DE PALIN


Para ver com legendas clicar aqui.
Cortesia Jornal Público

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

VENHA O PRÓXIMO

Em 29 de Setembro escrevi:

"Northern Rock, Lehman Brothers, Merrill Lynch, Wachovia, Bradford & Bingley, ....

Quem será o próximo?
E quando a esta lista se acrescentará um nome português?"

Bem já conseguimos ter 2: Banco Português de Negócios e Banco Privado Português.

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

um presidente diferente, um mundo igual

"Barack Obama has won the presidency of the United States of America, and on this occasion, I would like to send several messages.

First, a message of congratulations to the Muslim Ummah on the American people's admission of defeat in Iraq. Although the evidence of America's defeat in Iraq appeared years ago, Bush and his administration continued to be stubborn and deny the brilliant midday sun. If Bush has achieved anything, it is in his transfer of America's disaster and predicament to his successor. But the American people, by electing Obama, declared its anxiety and apprehension about the future towards which the policy of the likes of Bush is leading it, and so it decided to support someone calling for withdrawal from Iraq.

The second of these messages is to the new president of the United States. I tell him: you have reached the position of president, and a heavy legacy of failure and crimes awaits you. A failure in Iraq to which you have admitted, and a failure in Afghanistan to which the commanders of your army have admitted. The other thing to which I want to bring your attention is that what you've announced about how you're going to reach an understanding with Iran and pull your troops out of Iraq to send them to Afghanistan is a policy which was destined for failure before it was born. It appears that you don't know anything about the Muslim Ummah and its history, and the fate of the traitors who cooperated with the invaders against it, and don't know anything about the history of Afghanistan and its free and defiant Muslim people. And if you still want to be stubborn about America's failure in Afghanistan, then remember the fate of Bush and Pervez Musharraf, and the fate of the Soviets and British before them. And be aware that the dogs of Afghanistan have found the flesh of your soldiers to be delicious, so send thousands after thousands to them.

As for the crimes of America which await you, it appears that you continue to be captive to the same criminal American mentality towards the world and towards the Muslims. The Muslim Ummah received with extreme bitterness your hypocritical statements to and stances towards Israel, which confirmed to the Ummah that you have chosen a stance of hostility to Islam and Muslims.

You represent the direct opposite of honorable black Americans like Malik al-Shabazz, or Malcolm X (may Allah have mercy on him). You were born to a Muslim father, but you chose to stand in the ranks of the enemies of the Muslims, and pray the prayer of the Jews, although you claim to be Christian, in order to climb the rungs of leadership in America. And so you promised to back Israel, and you threatened to strike the tribal regions in Pakistan, and to send thousands more troops to Afghanistan, in order for the crimes of the American Crusade in it to continue. And last Monday, your aircraft killed 40 Afghan Muslims at a wedding party in Kandahar. As for Malik al-Shabazz (may Allah have mercy on him), he was born to a black pastor killed by white bigots, but Allah favored him with guidance to Islam, and so he prided himself on his fraternity with the Muslims, and he condemned the crimes of the Crusader West against the weak and oppressed, and he declared his support for peoples resisting American occupation, and he spoke about the worldwide revolution against the Western power structure.

That's why it wasn't strange that Malik al-Shabazz (may Allah have mercy on him) was killed, while you have climbed the rungs of the presidency to take over the leadership of the greatest criminal force in the history of mankind and the leadership of the most violent Crusade ever against the Muslims. And in you and in Colin Powell, Rice and your likes, the words of Malcolm X (may Allah have mercy on him) concerning "House Negroes" are confirmed.
You also must appreciate, as you take over the presidency of America during its Crusade against Islam and Muslims, that you are neither facing individuals nor organizations, but are facing a Jihadi awakening and renaissance which is shaking the pillars of the entire Islamic world; and this is the fact which you and your government and country refuse to recognize and pretend not to see.

As for the third message, it is to the Muslim Ummah. I tell it: America, the criminal, trespassing Crusader, continues to be the same as ever, so we must continue to harm it, in order for it to come to its senses, because its criminal, expansionist Crusader project in your lands has only been neutralized by the sacrifices of your sons, the Mujahideen.

This, then, is the path, so stick to it."


Extracto da mensagem de al-zawahiri, dirigente da al-Qaeda, difundida hoje, dia 19 de Novembro de 2008, em sites islâmicos. Para um leitura completa, ler aqui.

terça-feira, 18 de novembro de 2008

... da terra, com os edifícios.

casa PR, quinta da gramela, pombal
arquitectura portuguesa contemporânea



No limite das planícies do rio Arunca, e vincado por um talude coroado por uma rua privada da Quinta, o terreno é fortemente caracterizado pelos diferentes níveis de cota pontuados por árvores aleatórias.A exigência dos clientes era única e objectiva, também pouco flexível, ambos defendiam saberes e experiências vivenciais diferentes, e tudo isso era reflexo de um só projecto. A receita estava em cruzar a informação conseguida pela análise individual de cada um e transforma-la em conceito levado até as ultimas consequências sem o desvirtualizar.A solução de adequar o projecto ás duas cotas distintas, resolveu a volumetria e parte do programa. Paralelamente houve o cuidado de conduzir a luz a todas as zonas da habitação de uma forma simples e directa sem se sobrepor à envolvente. O piso térreo assume-se como um largo muro de suporte em pedra, que alberga todo o programa de serviços domésticos e garagem. O piso íntimo descansa sobre o dito muro, projectando-se sobre a sala de estar limitada a panos de vidro, fragilizado pelo deslocamento do pilar no limite da viga. O volume de betão esconde os vãos e valoriza a privacidade, como se retirasse-mos fatias de um bolo privilegiando o núcleo.A luz atravessa os volumes em todas as direcções e nos vários sentidos.O homem pode viver a arquitectura como a pensa, Mas vive na arquitectura como se sente bem.

Texto original publicado na revista Arkinetia

p&r arquitectos p&r arquitectos en arkinetia
Fotos: FG+SG Fernando Guerra + Sérgio Guerra
Fotografia: Fernando Guerra
Produção Fotográfica: Sérgio Guerra

Autores: p&r arquitectos lda.
Promotor: Pedro Santos e Rita Cordeiro
Ano: 2005
Localização: Bairro da Bela Vista, Quinta da Gramela, Pombal

A CRISE ESTÁ PARA DURAR

Depois de nos primeiros nove meses do ano ter despedido 23.000 empregados, o Citigroup anunciou hoje que pretende dispensar mais 52.000 funcionários até á próxima sexta-feira.

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

DÚVIDA

Alguém me sabe dizer se um cidadão com dividas ao fisco se pode candidatar a Presidente da Junta?

terça-feira, 11 de novembro de 2008

portugal e a história, 1914 - 1918

A medida de um país, é também a medida da sua história e o modo como ela é aceite e vivida no presente. Neste aspecto central para a maturidade cultural dos povos, no modo como eles se entendem , como assumem a sua história, a medida do meu país, é uma pequena medida, ainda que seja enorme a sua história. O esquecimento total e absoluto, daqueles que se sacrificaram em Africa e na Flandres, durante a primeira guerra mundial, é mais um episódio triste de como intenções políticamente turvas, pretendem estreitar o nosso passado a uma sequência politicamente correcta, obliterando dele, tudo aquilo que possa causar calafrios à urbanidade e cosmopolitismo dominante. África e Flandres, foram palco de sacrifícios enormes, de carnificinas pelas quais muitos portugueses passaram.

O silêncio absoluto do Estado Português sobre o armistício celebrado nesta data, que pôs termo a um elemento central da história do mundo e da nossa história do século XX, não constituí senão um branqueamento, talvez deliberado, e um exemplo mais de ingratidão de todo um país pela memória daqueles que se viram na contingência de lutar e morrer na defesa dos seus interesses. Essa ingratidão, de resto, não é episódio único da história recente para com os militares e para com o compromisso que, independentemente das razões políticas, os mesmos assumiram perante a pátria.

A história daqueles que lutaram na Flandres e em África na Grande Guerra (bem assim como em todos os outros locais, em diferentes tempos) não pode ser ignorada, no dia em que se celebra o armistício da Grande Guerra.

Aqui, a lembrança dos factos.

foto "corpo expedicionário português: soldados portugueses nas trincheiras, durante a batalha de la Lys, em 1918 - colecção particular."

sábado, 8 de novembro de 2008

O NOSSO AMERICAN DREAM

Aproveitando a temática das eleições americanas e lendo a noticia da pena de três anos e três meses de prisão a que foi condenada Fátima Felgueiras em cúmulo jurídico pelos crimes de peculato, interrogo-me se este nosso pequeno espaço europeu não evidencia ele próprio um certo conceito de American Dream? Perverso, sujo, é certo, mas para uma determinada franja da população – vulgo trapaceiros – não será este o país no qual devem apostar?

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

feirafranca weekend lounge



"the louvre is in lisa´s hands" - jason mraz na ponte das artes, paris 2007.

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

things we should be looking for



james bond "quantum of solace" - sony pictures

uma perspectiva sombria

Para John Mearsheimer a política das grandes nações é, invariavelmente, uma tragédia. Essa constatação é óbvia e não precisa Mearsheimer de recuar muito no tempo (e na história) para encontrar exemplos trágicos significativos, e globais. Mas o que motiva Mearsheimer, além das tragédias manifestas, é comprovar teoricamente que as mesmas acontecem, em momentos particulares da história, quando o enquadramento dos protagonistas globais, obedece a um conjunto de tendências e dados objectivos, cuja verificação conduz, invariavelmente, a um momento decisivo na história, o mesmo é dizer, um momento sempre infeliz e trágico.

Há um petição de princípio em Mearsheimer e que aqui se subscreve: todo o Estado é por essência predatório, ou seja, a lógica que o mesmo desenvolve na cena internacional, visa unicamente e em última análise, a maximização dos proveitos que o mesmo pode retirar da fraqueza ou debilidade internacional dos outros, procurando Mearsheimer igualmente demonstrar – o que aqui, por ora, é secundário – o modo pelo qual, todo o Estado o faz.

Estabelecida aquela petição de princípio que nos remete para uma visão REALISTA das relações internacionais (sobretudo fundamentadas por Hans Morgenthau, ou Henry Kissinger) importa pois convocar e descrever historicamente, todas aquelas situações, que sendo particulares mas manifestas, conduziram invariavelmente, a tragédias humanitárias. E elas são: as Guerras Napoleónicas, a Grande Guerra e a Segunda Guerra Mundial. E em todas estas circunstâncias absolutamente trágicas para o mundo, a situação internacional que lhe antecedia, era caracterizada pela polarização do poder, ou seja, nenhuma das grandes potências internacionais (França, Inglaterra, Rússia, Áustria-Hungria, Alemanha e a partir de determinado momento, Estados Unidos) possuía a capacidade económica e militar suficiente, para se impor a todas as demais, facto que acentuou a competição entre todas elas e consequentemente, o respectivo atrito internacional, com as consequências que todos, de resto, conhecemos.

Ainda seguindo Mearsheimer, a estas circunstâncias opõem-se aqueles outros momentos na história e nas relações internacionais, em que havia um dominador único – ou seja, um Estado capaz de se impor económica e militarmente, ao poder de todos os demais – sendo que tais momentos, corresponderam, invariavelmente e de igual modo, a períodos da história mundial de paz e/ou de desenvolvimento económico. Aqui Mearsheimer reporta-se à Inglaterra pós-Congresso de Viena, até à antecâmara da Primeira Guerra Mundial, e à disputa Estados-unidos, União-Soviética, após a Segunda Guerra Mundial, até ao 11 de Setembro. Esses outros períodos da História, são assim unipolares ou então bipolares, quanto a quem é internacionalmente dominante, por oposição àqueles outros polarizados, ou multipolares, que conduziram ás fatalidades históricas relatadas.

E um mundo multipolar é aquele que cada vez mais se adivinha, agora que Obama é o Presidente dos Estados Unidos da América. E essa multipolaridade não decorre apenas do crescente domínio regional exercido por Rússia, China ou Índia (e que se concentra num único espaço físico, o oriente). A multipolaridade de hoje, tem igualmente a ver com aquilo que poderá ser uma alteração de postura dos Estados Unidos da América no mundo, a pedido de todos os politicamente bem-pensantes e intencionados. A questão fundamental e sobre a qual pouca gente discorre, é que isso traz custos potencialmente tenebrosos para a humanidade, pois acentuará no futuro, a competição e o atrito por zonas de influência, uma vez que todos os restantes competidores internacionais, percebem que os Estados Unidos deixaram de demonstrar empenho e vontade política naquele mundo bipolar/unipolar que nos garantiu 64 anos de paz.

E para demonstrar os custos que essa retirada ou menor empenho dos Estados Unidos trará para a humanidade, basta fazer um simples exercício: a retirada anunciada por Obama do Iraque. A acontecer nos moldes anunciados – 16 meses – tal implica não só o reconhecimento do domínio regional no médio oriente do Irão, que procurará capitalizar em toda a medida e por todos os lados, esse ganho imprevisto, aprofundando uma parceria com a Rússia, destabilizando a Turquia, mas sobretudo dará um sinal tenebroso a Israel, de que politicamente conta apenas com ele próprio e terá de haver-se sozinho, com todos os seus antagonistas, nomeadamente aqueles que pretendem a sua irradicação do mapa. E isso é uma perspectiva trágica, que só de a assentar no papel, dá arrepios na espinha…

Os Estados Unidos são pois vector fundamental e talvez, o vector único para o mundo ocidental, na prevenção das tragédias futuras. E por isso Obama, depois da retórica sem dúvida brilhante que o pôs na Casa Branca, e depois do facto de o mundo o ter efusivamente celebrado, se pretende que assim continue a ser por muito tempo, não mudará uma vírgula naquilo que tem sido feito, ainda que encha a boca com a palavra mudança. E isso hoje, parece fundamental, para poupar o resto do mundo à sua própria tragédia.

Que Deus continue a abençoar a América.


"the tragedy of great power politics" por john mearsheimer, em versão portuguesa editado pela Gradiva, 20 euros mais caro do que pedir o livro pela Amazon.

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Agora que o paternalismo europeu esfrega as mãos de contente, com o resultado das eleições norte-americanas e transforma de repente, aquilo que era antes um ninho de ratazanas imperialistas e capitalismo necrófago, num campo infinito de virtudes absolutas, veremos em que medida esse estado de graça prossegue, quando a elegância da retórica der lugar ao realismo político do dia-a-dia. Como por aqui, mesmo nos tempos mais dificeis, nunca se malhou indiscriminadamente nos Estados Unidos da América e sempre se fez fé naquilo que são os seus valores de individualismo, liberdade e democracia, por aqui se prossegue na respectiva admiração, acrescida de uma esperança algo vã, de que o velho mundo (o europeu) aprenda alguma coisa de útil com o novo mundo e se deixe de preconceitos e de paternalismos relativamente a tudo aquilo que se passa no continente americano, de norte, a sul.

Não há geografia no mundo onde o Homem, enquanto indivíduo, enquanto ser capaz de transformar as suas reduzidas possibilidades, mais tenha sido desafiado, mais tenha sido posto á prova e vencido. E essa lição imensa e sem paralelo, a europa cansada, acomodada, ameaçada e muitas outras vezes estúpida, devia há muito ter aprendido, porque a respectiva salvação, não pode vir de outro sítio, senão desse outro lugar da terra , aquele que atravessa o norte e o sul da humanidade, aquele que sempre nos estendeu a mão, por mais estúpidos que tenhamos sido.

Hoje em particular, que Deus abençoe a América.

WELL DONE AMERICAN PEOPLE



The 44th President of the United States of America

terça-feira, 4 de novembro de 2008

things we should be looking for



"hollywood mon amour, 80´s movie songs reinvented" por Marc Collier - "eye of the tiger", marc collier feat. katrine ottosen, editado em outubro de 2008, por pias recordings - frança.

PS: dedicado ao próximo presidente dos estados unidos, seja ele quem for...

sexta-feira, 31 de outubro de 2008

the talented and the gifted to the stage



"roc boyz" - de jay-z do álbum "american gangster" editado em Julho 2007 por roc-a-fella records.

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

do iva que não existe e tem de ser pago


A última e mais recente proposta do governo em sede de IVA, demonstra à saciedade, como o que importa para Sócrates, é sacar dinheiro ao contribuinte, e não reestruturar o Estado e a sua cada vez mais crescente despesa corrente. Claro que garantias fiscais, nem vê-las! Venha daí o dinheiro, mesmo aquele que não existe, ou não foi pago. O contribuinte, esse que se lixe! Afinal de contas, sempre é mais importante alimentar a crónica ineficiência e gigantismo do Estado, do que haver alguma esperança na justiça fiscal...

Sócrates, VAI ROUBAR A TUA TIA (se é que lhe resta alguma coisa para ser roubada)!

OBAMA E McCAIN NAO SAO OS ÚNICOS

Apesar de só se falar de Barack Obama e John McCain, existem mais 4 candidatos a Presidente dos Estados Unidos da América.
Sao eles:

Ralph Nader (independente e já um veterano nestas andancas)
Bob Barr (Libertarian Party)
Cynthia McKinney (Partido Os Verdes)
Chuck Baldwin (Constitutional Party)

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

interpol - america´s most wanted


Hoje, parece-me incrível o tempo que permaneceu quase ignorado na minha gaveta de CD´s “turn on the bright lights”, primeiro álbum dos interpol. Não há exactamente uma explicação para o facto – fases, é aquela que melhor me ocorre – mas lembro-me exactamente do dia em que o comprei e de como na altura, imediatamente me convenceu, ao ouvir os primeiros instantes das primeiras canções. Creio que foi o último álbum de banda com guitarras eléctricas que, genuinamente, me deu gozo comprar.

A questão visual, o empenho estético da banda, na forma quase conceptual como se divulga, é algo que, também lentamente, se foi colocando quase em paralelo com o respectivo saber musical, já registado em 3 álbuns, assumindo particular importância o modo como tal musicalidade, ganha expressão gráfica – e ela é, como a música, uma respiração soturna, um pouco demencial, mas profundamente depurada, algo exígua nos elementos que a compõem, mas sempre fazendo sobressair ou evidenciando, uma determinada característica que serve de fio condutor a todo o contexto visual que se desenvolve (os fios e a água em “obstacle 1”, o boneco articulado em “evil”, ou o próprio fascínio do grafismo em “PDA” e “the heinrich maneuver”). Apesar das diferente contribuições e colaborações (floria sigismondi, charlie white, elias merhige) há sempre essa coerência manifesta na expressão artística da banda, onde, de algum modo, esses diferentes planos (musical e visual) sendo complementares, ganham um mérito próprio, que lhes é exclusivo e que coloca os Interpol, bem longe de tudo o resto que por aí se vai ouvindo.

… que Deus guarde os Interpol e Nova Iorque.


the talented and the gifted to the stage




"the heinrich maneuver" - interpol do álbum "our love to admire", editado por capitol records, em junho de 2007.

terça-feira, 28 de outubro de 2008

ONE WEEK TO GO


The most recent national CNN poll of polls showed Obama with an 8-point lead over Republican presidential nominee John McCain, 51 percent to 43 percent. The polls were conducted October 21 through October 26.

domingo, 26 de outubro de 2008

do capitalismo

Não estou do lado dos que diabolizam o capitalismo. Pelo contrário, estou do lado daqueles que nele continuam a acreditar, apesar da crise. E por uma razão simples: apesar de toda a retórica incendiária sobre os especuladores, os banqueiros, as bolsas, o crédito e particularmente, os estados-unidos e os americanos, não há, da parte daqueles que assim vão ladrando e do barulho que produzem, qualquer proposta alternativa que substitua credivelmente, esta caravana que passa – e essa é, ainda e apenas, a do capitalismo e da livre iniciativa económica.

Tal contudo, não significa que não se devam retirar lições e proceder a ajustamentos, assim a crise o permita. E isso, sempre o capitalismo o percebeu. Quando Nelson Rockefeller pelas sucessivas aquisições, tornou o mercado num monopólio (o seu monopólio), prejudicando a livre iniciativa e os mecanismos necessários à livre formação do preço, logo o Estado interveio na regulamentação da respectiva actividade, introduzindo as alterações legislativas necessárias ao restabelecimento de um mercado atomizado. Bill Gates e a Microsoft foram, de resto, objecto de recente sanção económica, tendo por base aqueles mesmos princípios estabelecidos aquando da pujança económica de Rockefeller e distorção de mercado por ele produzida.

Isto para dizer, que, igualmente, o capitalismo e o mercado, saberão retirar as lições necessárias da presente crise. E essas lições serão retiradas, na medida em que haja a honestidade de não explicar a presente crise, com os fundamentos e as diatribes daqueles que ideologicamente, sempre lançaram os cães à economia de mercado e que se resumem a espumarem da boca, impropérios aos já ditos especuladores, banqueiros, bolsistas e neo-liberais. O curioso de tudo e que está muito além desse primarismo intelectual anti-capital, é o facto de o próprio liberalismo, enquanto escola económica, fornecer os elementos e enquadramentos necessários à crise.
Quem leia os clássicos liberais – e estou a falar de Adam Smith, David Ricardo ou David Hume e não de qualquer vulgar esquerdista contemporâneo, do bloco de esquerda ou do ps, que agora se arroga ao direito de ser também um Liberal – sabe que qualquer deles (os Liberais Históricos e não os da moda) reserva um papel ao Estado: o de ser regulamentador, o de criar os mecanismos legais ou económicos, que permitam a livre concorrência, a livre iniciativa e a livre formação de preços e nessa medida, permitam um mercado atomizado, longe das distorções e do irracionalismo económico. O Estado permitirá que seja o indivíduo e apenas ele, o verdadeiro protagonista da iniciativa económica. Por isso, a necessidade de regulamentação de que tanto se fala, remete-nos ainda e sempre, para os princípios liberais, cuja morte, por estes dias, todos anunciam.

Mais curioso ainda, é o facto de o próprio neo-liberalismo ter uma explicação, ou um princípio de explicação, para aquilo que presentemente vivemos: o facto de o JURO, durante anos a fio, se ter mantido a níveis historicamente baixos, e de tal ter permitido que muitos agentes económicos, se tornassem actores no mercado (global), sem que muitos deles tivessem a capacidade, o conhecimento e o domínio efectivo das matérias que constituíam a essência da respectiva actividade (para não dizer, a estrutura financeira). Esses mesmos protagonistas económicos, foram–se mantendo e tornando-se cada vez mais visíveis, porque aquilo que determinou ou esteve na base do desenvolvimento da respectiva actividade - a posssibilidade de acesso ao crédito barato - tornava tolerável a sua consideração como elemento económico racional. O crédito barato – porque o juro era artificialmente mantido pela intervenção dos Bancos Centrais e pelo domínio que os mesmos exerciam (e exercem) sobre o volume monetário em circulação – corroeu a própria credibilidade do mercado e a racionalidade suposta nos respectivos agentes, sem que em algum momento aquele juro reflectisse o conjunto de riscos económicos que ao longe se adensavam, à medida em que, mais e mais agentes e mecanismos descredibilizados tomavam o respectivo lugar na economia global.

De onde resulta a conclusão – já adiantada por alguns – que esta intervenção estadual, através das sua garantias e avais, vai permitir ainda que muitos que, comprovadamente, não deveriam ter-se estabelecido economicamente e que não foram objecto de "limpeza" por força da subida do juro, por aí irão manter-se, apesar da manifesta incapacidade no domínio da decisão económica e respectiva racionalidade.

Contudo, o capitalismo e o livre mercado, seguem dentro de momentos...

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

2 WEEKS TO GO



100,000 people gathered to hear Obama's rally in St. Louis earlier Saturday.
In CNN.com

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

quarta-feira, 15 de outubro de 2008

clube beretta 2000 - os diários


Ulrike Baader e a desmancha dos porcos.

Parte I.

Talvez não venha muito a propósito mas, quando Ulrike Baader se enforcou em 1976, na sua pequena cela, da prisão de Stammhein, nem ela própria julgaria possível, que depois das bombas e dos assassínios políticos, seria o seu próprio cérebro aquilo que por todo este tempo seria mantido em formol, pelo Estado Alemão. ULRIKE BAADER – dirá numa etiqueta, sobre o amarelo gasto do troféu – 09 de Maio de 1976. Não sei, se para os fins científicos que fundamentaram a sua preservação (assim pelo menos, reza oficiosamente a história) alguma vez o chegaram a cortar, ou se pelo menos, num tom mais divertido, lhe chegaram uma faca, a ver se ele saltava…
Mas não deixa de ser irónico, que alguém que a certo ponto chegou a acreditar que tinha nas mãos a HISTÓRIA, fazendo por isso parte de um movimento proletário, cujas premissas de actuação terrorista, poderiam ver todos os seus futuros vectores e radiais, previamente estabelecidos e determinados numa base sociológica e científica (cujo mecanicismo infalível – do qual Baader era engrenagem empenhada – não poderia conduzir senão ao funeral do capitalismo, pudesse o protagonista dominar todas as teses marxistas e o respectivo enquadramento histórico) acabasse ela mesma, numa bandeja metalizada, servindo o mesmo propósito humanamente meritório, do método científico: primeiro a caracterização, com todas as suas quantificações e medidas; depois as hipóteses, como base primeira de possíveis explicações; em terceiro as previsões, como decorrentes racionais das hipóteses e por fim, os experimentos, como corolário lógico dos dados recolhidos e de toda a especulação abstracta das fases anteriores. Ou seja, nesta última fase, tomariam lugar os objectos contundentes e aqueles cortantes, para o desenvolvimento das operações cujo grotesco ou não, se escusa por aqui de relatar.
Poderia ser também este o método pelo qual, os Baaden-Meinhoff, na Alemanha dos anos 70, procederiam no seu empenhamento ideológico e terrorista?
É por isso espantoso, como esse internacionalismo panfletário e revolucionário e o conjunto de incêndios sociais que despoletaram à bomba e ao tiro, alguma vez chegasse a acreditar e a cair, no seu próprio maniqueísmo lógico, deveras pouco inteligente, como se toda a fenomenologia do mundo, a sua infinita e inabarcável diversidade, pudesse, por simples exercício, ser recambiada a um conjunto de teses empacotadas num livrinho dito de manifesto comunista. E mais espantoso ainda, é como tão pouca substância económica e filosófica (que não fez mais do que chutar para canto, algumas das questões prementes e fundamentais da ontologia humana) pudesse por sua vez, dar origem a tanta outra literatura, tão politicamente empenhada na forma como discutia os pormenores da primeira, perpetuando vezes sem conta, esse optimismo intelectualmente sobranceiro do Homem, em relação a si e a tudo aquilo o que o rodeia. Aparentemente, acreditava-se, o segredo do universo e da condição humana, o pão libertador dos povos, havia sido finalmente desvendado e estava ao alcance da própria mão, da coragem, do empenho, do desejo de tornar realidade aquele materialismo científico, a sociologia das engrenagens alimentada pelas massas instruídas no catecismo divisado por Marx. Os tiros, ou as bombas e o assassínio, eram questões de mero pormenor, nesse desiderato resplandecente, que alguns um dia julgaram possível abrir, para todos os outros.
Não há propriamente que censurar a Ulrike Baader, ou aquilo que dela resta e repousa numa qualquer estante ou gaveta de uma entidade obscura, num Länder alemão. O erro de Ulrike foi achar que poderia protagonizar esse sofisma maldito e assumir para os outros, aquilo que a sua grande maioria não quisera – ser parte de uma sociedade sem classes, desprovida da moral dominante de inspiração judaico-cristã, aonde o modo de vida burguês e capitalista, seria uma extravagância histórica, derrubado pelas suas próprias contradições e pelos inestimáveis contributos de uns tantos iluminados, que pela suas acções contra o capital e seus agentes (leia-se, pelo assassínio, sabotagem e extorsão) ganhariam nas praças, a réplica de si mesmos sobre num pedestal. Talvez Ulrike Baader ambicionasse isso, ser uma dessas estátuas, indicando o caminho… Contudo, aquilo que dela restou, não foi essa indestrutível qualidade do bronze, foi antes a natureza perecedoura da sua massa encefálica.

Parte II.

Desconheço o destino que o funcionalismo alemão dará a esse fragmento sinistro da República Federal. Isso, agora, talvez pouco importe. A única coisa que sei e conheço, é que foi essa ambição de muitos, aquilo que implodiu historicamente e que, com tal implosão, sucumbiu igualmente esse programa manifesto de alterar a própria natureza humana, a condição que todo o Homem sempre conheceu. Sejamos francos: nunca houve nada de mais estúpido do que o programa político, pelo qual, o Homem se tornaria no seu próprio Deus, vendo-se livre de todos os Outros que ancestralmente conheceu e seus modos de adoração. E para se concluir pela estupidez de uma tal ideologia, basta prestar bem atenção na arte pela qual o Joca Talhante, procede ao desmanche do porco. Qualquer semelhante que se dê ao tempo e ao trabalho de escrutinar esse ancestroso ritual, cedo percebe que qualquer porco conhece e tem consciência da sua própria natureza, daquilo que são os seus limites imanentes. Se assim não fosse, não entraria o pobre do porco em sobressalto, sempre que mão humana lhe assenta sobre o lombo. Todo o bicho a quem se cobice pela pá, ou pelos secretos, sabe pelo mínimo aquilo que o aguarda e por isso, tem uma lúcida consciência sobre o seu papel no mundo e a respectiva inserção, na aparente ordem coisas. Não há porco que ambicione alterar o seu estado, aquilo que é a sua condição! Senão, quem haveria de provir ao esmero do seu alimento, aquele que propicie do ping cristalino, e faça crashar índices de triglicídeos? Do mesmo modo, quando tenaz mas pacientemente, se procura que perús emborquem do vinho morangueiro antes de lhes fazer saltar a cabeça, há a perfeita consciência no galináceo, de que o propósito humano em amaciar-lhes as carnes via Baco, segue como culminar de uma dedicação efectiva ao bicho, dedicação que para mais, lhe trouxe inequívoco provento. E sabendo desse fim trágico, partilhará algum peru um programa ideológico, que altere a sua humilde condição? Não. Por isso, partilhando nós com tudo aquilo que é vivo, a conjuntura inerente e irreversível de também um dia deixarmos de existir, de que nos adianta querermos substituirmo-nos ao Criador, e avançarmos em programas colectivos, que nos libertem daquilo que somos? Acaso, algum desses programas, mantém a respectiva exibição nos lugares do mundo?
O facto de o Joca Talhante ter exemplarmente drenado as entranhas e conseguido encher dois alguidares de sangue, que muito bem servirão para encher do bom chouriço (e de finalmente, o coitado do porco ter parado de grunhir, expirado-se a sua condição de vivo, da qual não quis escapar), não pode servir de forma mais eloquente, à conclusão que, no que diz respeito à condição humana, estaremos muito mais próximos de um conceito de necessidade e de substância espinosista, segundo a qual, pensamento e matéria são extensões inequívocas de Deus e certeza do sagrado e do imutável, do que uma qualquer outra rotura marxista, pela qual, Deus seja proscrito do mundo dos Homens, (pelos próprios Homens) e estes possam ser os aparentes senhores de si mesmos, reinando no mundo da matéria, segundo uma outra qualquer condição, deles inteiramente desconhecida.
Pensei assim nesses propósitos de rotura e de fracturação e na maçã, com cuja degustação me entretera enquanto no terreiro, por arte, se desmanchara aquela vitalidade do porco. E ponderados múltiplos vectores, achei que efectivamente, naquela maçã se encerraria a substância espinosista do ente divinamente criado como matéria, pois apesar da acidez, havia nela suficiente açúcar, para que delas voltasse a pedir uma saca cheia, aos espalhafatosos dos Abelhões… E enquanto isso não sucedia, lembrei-me do judeu português de nome Espinoza, polidor de lentes e no elogio que alguém um dia produziu, a propósito da estátua que dele permanece em Haia:

“Maldição sobre o passante que insultar essa suave cabeça pensativa. Será punido como todas as almas vulgares são punidas – pela sua própria vulgaridade e pela incapacidade de conceber o que é divino. Este homem, do seu pedestal de granito, apontará a todos o caminho da bem-aventurança por ele encontrado; e por todos os tempos o homem culto que por aqui passar dirá em seu coração: Foi quem teve a mais profunda visão de Deus” - joseph ernest renan.

A Ulrike Baaden é que já não lhe adiantam, nem as estátuas, nem às maçãs cultivadas no pomar dos Abelhões…

O MENINO GUERREIRO VOLTA A ATACAR 2



Já não sei se devo rir ou chorar.
De facto, já não sei se Portugal deve rir ou chorar.

Isto é pior que um gato, tem muito mais que 7 vidas...

"A CRISE" PELOS OLHOS DO BARTOON


Sempre acutilante!
Por Luís Afonso In jornal Público (www.publico.clix.pt)

segunda-feira, 13 de outubro de 2008

so... the white boy can really sing!!



"boom, boom" - eli "paperboy" reed & the true lovers, do álbum "roll with you" editado por Q division records, em junho 2008.

sexta-feira, 10 de outubro de 2008

WHICH SONG? THE NEWEST



"Human", first single from The Killers' third album "Day & Age", to be released on November 24, 2008 in the UK and on November 25 elsewhere.

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

NOVIDADE?

Segundo estatisticas da DGCI, em 2006, apenas 36 por cento das empresas portuguesas apresentaram resultados suficientes para que tivessem de pagar impostos.
Ora, bem feitas as contas, significa que 64 por cento das empresas portuguesas não apresentam resultados positivos, ou seja, dão prejuizo.
A arte de bem gerir.

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

ANTES E AGORA



De boxeur a actor mais consagrado no planeta durante alguns anos, voltando de novo a boxeur, e tentando novamente voltar a ser um actor considerado.
A vida de Mickey Rourke é por si só um filme dramático, ou porque nao de terror...

segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Portugal, 06 de Outubro de 2008.


A república fez 98 anos. Áparte o facto de a respectiva data de aniversário, apenas ser razão para ver- enquanto a guarda desfila de polainas - se algum sangue escorre dos recados político-partidários trocados pela farinha do mesmo saco, que razões existem para celebrar e exultar, com este amontoado de tempos republicanos, que a cada Outubro se celebra? Afinal, sempre foram 43 governos em 16 anos (17 só em 1921), uma guerra mundial, perseguição e assassínio políticos quanto bastem e para culminar, mais 40 anos de ditadura. Convenhamos: não é pouco! Os 32 que levamos com a constituição de 1976, aparentemente, não vão significando senão o falhanço total nos seus grandes propósitos de estado-previdência: modernidade, florescimento económico, progressismo avant-garde, empenhamento ideológico, compromisso social?

Não fosse a guarda e as reluzentes polainas e, provavelmente, já ninguém queria saber da república.

descalabro?


quinta-feira, 2 de outubro de 2008

erwin schulhoff



Quando Erwin Schulhoff morreu, tinha 47 anos. E todos sabemos que a condição humana, o frágil equilíbrio de que é feita e de que depende, não sobrevive ao indizível e ao inexplicável. O tormento obscurantista, outrora posto em marcha nos campos de concentração, pela insignificância perturbada de uns tantos animais – que se achavam homens – não permite vencedores, nem mesmo sobreviventes. Permite apenas fantasmas, os espectros de gente que ainda consegue viver para lá de uma tenebrosa recordação, para tornar contemporânea, toda a capacidade animalesca dos homens. A Erwin Schulhoff, não foi pois, a tubercolose que o matou, em 1942, no campo de concentração de Wulfsburg, na Bavária. Foi descobrir que a sua destreza musical, a sua dedicação ao aprimoramento genial do som, expressão primeira do mundo, pudesse ser tão meticulosamente decepada, pela odiosa incompreensão dos que poderiam ser seus ouvintes e a quem, a sua mestria se dedicava.
Foi a traição dos próprios homens, à sensibilidade e inteligência que são capazes de gerar e reconhecer, que então sufocou e emudeceu, o pulmão perceptivo do mundo… Agradecemos pois, a Erwin Schulhoff, a quem a vida cedo deixou de correr pelas veias, para se precipitar ligeira pelas pautas.

Erwin Schulhoff (praga 1895 - wulfsburg 1942)
cinco peças para quarteto de cordas (1), interpretado pelo quarteto Nuove Musiche.

quarta-feira, 1 de outubro de 2008


all in the HOUSE say "yea"

terça-feira, 30 de setembro de 2008

DESCALABRO









Esta dupla de centrais deu há bocado uma excelente lição de como não se deve defender.
Muito fraco.

segunda-feira, 29 de setembro de 2008

E AGORA?

Com a recusa há poucos minutos da Camara dos Representantes em aprovar a legislacao que permitia a compra de créditos mal parados de diversos bancos americanos, o sector financeiro mundial, e por arrasto a economia mundial, está neste momento á deriva.
A autoridade do denominado homem mais poderoso do mundo foi posta em causa por aqueles que lhe sao mais próximos, já que a maior oposição veio da bancada republicana.
Imediatamente o Dow Jones reflectiu esta decisao, fechando a descer 6.9% = 770 pontos, na maior descida num dia da sua história.
Veremos amanha, e por esta ordem, Tóquio, Hong Kong, Bombaim, Frankfurt e Londres.
Para muito boa gente, esta vai ser uma longa, longa noite.

Northern Rock, Lehman Brothers, Merrill Lynch, Wachovia, Bradford & Bingley, ....

Quem será o próximo?
E quando a esta lista se acrescentará um nome portugues?

sexta-feira, 26 de setembro de 2008

a versão cosmopolita dos velhos do restelo

Há quem não esconda o seu entusiasmo e esfregue as mãos de contente, face à crise fianaceira mundial. Fiel aos seus pergaminhos editoriais e ideológicos, a revista VISÃO, chega mesmo a perguntar-se se este será o fim do capitalismo! Caso para fazer lembrar aqueles, que na Visão, nas respectivas saias ou calças, não cabem em si de contentes ante a ilusão que os factos criam, que um sistema que por mais de 250 anos vem promovendo e alargando um bem-estar social, económico e cultural a níveis nunca conhecidos pela Humanidade, não cairá tão facilmente como aqueles outros, que implicavam o racionamento diário de bens e a exiguidade extrema àquilo a que se poderia aceder e usufruir. A estes sim, amigos da VISÃO, bastou que lhes caísse um muro…

Por isso, ideólogos da revista VISÃO, não será no imediato que sereis vingandos da orfandade ideológica em que existis! Não será assim tão fácil. O capitalismo, amigos, esse segue dentro de momentos. Obrigado!

Aposta: próximo cronista VISÃO, Sandro Ferreira Mendonça, sem dúvida um visionário apocalíptico, contudo, ideólogo não sabe ainda bem do quê (será dos muros?).

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

obama vs. envangélicos vs. maccain

do verão na finlândia - reedição em setembro 08

Soube, caríssima Kimi, que as neves de Setembro caem já pela Lapónia. Em breve, a natureza, inevitável, lançará o seu manto de escuridão sobre esta minha cidade de Helsínquia e pelos próximos tempos, nela haveremos apenas de saborear, a gentil generosidade do sol, por seis pequenas e insignificantes horas – assim o permitam os agasalhos e os blusões de penas.

Sabes Kimi, ás vezes canso-me destes extremos e do rigor a que nos sujeita a nossa natureza e penso que o destino nos escolheu para existência, um lugar demasiado estúpido e insensível, aonde a nossa condição perecível não tem outro remédio senão desenvolver, vigilante, uma permanente luta contra a inclemência e a contrariedade.

Esta Finlândia bela mas apática, vazia, faz-me sonhar por uma terra de equilíbrio e de brandura, em que o inverno possa por vezes aparecer compreensivo e o Verão nos sorteie noites quentes e extensas, onde possamos simplesmente, existir e amar.

Escrevo-te do meu quarto, do meu apartamento, na companhia de toda a sofisticação, comodidade e design nórdico que nele existe, nesta minha Helsínquia cosmopolita, a quem em breve a natureza apagará as luzes e férreamente anseio, por um pouco mais de azul, um pouco mais da generosidade da luz, queimando-me a pele...

Kimi:

Haverá por aí algum Verão que conheças e que possamos, ardilosamente, roubar?

Teu, Niklas.

PS: o presente post foi orinariamente publicado no feirafranca por fritzthegermandog em novembro de 2005.

segunda-feira, 22 de setembro de 2008

O QUE ESCREVEM DO NODDY



Relembrando um post antigo, aqui fica a prova documental.

sábado, 20 de setembro de 2008

sexta-feira, 19 de setembro de 2008

portugal, 27 de setembro de 2008

Presentemente, Leopoldo López é presidente da câmara de uma pequena cidade nos subúrbios de Caracas. Ele é trineto do primeiro presidente da República da Venezuela e uma das figuras da oposição Venezuelana, preparando-se para brevemente se candidatar à presidência da câmara de Caracas, em claro desafio a Chavez. Em recente entrevista à revista MONOCLE, Leopoldo López contabilizava em oito, as tentativas para o assassinar, uma das quais, o feriu com gravidade.

A "Human Rights Watch" acabou de denunciar publicamente, o assustador incremento dos sucessivos atropelos e atentados que o regime bolivariano de Chavez produz aos valores democráticos e às garantias individuais de liberdade e de expressão de pensamento, progressivamente esmagando os mecanismos que ainda vão impedindo, que a Venezuela se transforme num monólito autocrático, lobotimizado, adoradora do grande chefe.

Dando razão às denúncias, Chavez sumariamente expulsou os representantes da "Human Rigths Watch" e encerrou as suas instalações em Caracas, justificando-se com a conspiração internacional do costume...

Chavez chega a Portugal no dia 27 de Setembro, e assim como fizeram a Fidel, também lhe garantirão uma passadeira vermelha à sua chegada e aguardarão extasiados, por um número qualquer que permita um pouco de entretenimento à hora dos Telejornais. As palmadinhas nas costas, a cumplicidade ideológica e petrolífera, garantirão ao convidado ditador, uma estadia agradável entre os seus apaniguados, ao sol de Lisboa, alguns dos quais se orgulham de ser um símbolo da luta pela Democracia e pela Liberdade, e que nesse seu actual delírio de cumplicidades políticas, secretamente aguarda que seja Obama a sarar as feridas do mundo (se calhar, à boa maneira bolivariana...).

Em Portugal, os arautos da Liberdade contra o Fascismo, os defensores da Democracia contra o obscurantismo salazarento, acham piada e divertem-se com Chavez, inclusivamente, reconhecem-lhe méritos e ele sorri, citando-os em programas de educação para as massas e retribuindo em piadas e provavelmente em vernáculo, a tão calorosa recepção de Lisboa.

Os valores que saíram e saem repetidamente da boca daqueles que agora em Lisboa, se sentam com Chavez e lhe dão computadores, e sobretudo o povo da Venezuela e a sua liberdade, esses vão ter que esperar ...

Agora o vernáculo é meu: Vayam al c***** !

Acidente do avião da Spanair em Barajas



In El Pais.com

quinta-feira, 18 de setembro de 2008

ORIGINAL



Igual a um aumento de 9% nas vendas.

quarta-feira, 17 de setembro de 2008

the maccain endorsement


Já aqui dei nota do conforto existente no resultado que surja nas eleições norte-americanas, para alguém politica e ideológicamente de direita. A terra do tio sam, é um maná de lições e de perspectivas de capitalismo, quer nos seus ciclos expansionistas, que nas suas contracturas económicas, quer na sua agenda de temas políticos. E, independentemente de quem ocupe o púlpito em Washington, assim continuará a ser, graças a Deus! Pelo menos aqueles de direita, não terão de explicar porque é que num momento, dão palmadinhas nas costas ao liberal Obama, e no momento imediatamente seguinte, acham muito bem tudo aquilo que é feito pelo marxista Chavez. Para mim e salvo melhor opinião, a única coisa que estes homens têm em comum será o facto de acreditarem feverosamente em Deus (o que, na minha perspectiva, não é despiciendo!) e agregarem à sua volta, a senilidade visível de alguns políticos cá do burgo, ou a orfandade ideológica de outros dos seus opinion-makers, que os consideram a ambos (Chavez e Obama) o futuro progressista do mundo.

Eu simplesmente, estarreço e citando bolivarianos que são muito bem quistos por estas bandas, digo-lhes também, que vão ao c***** (em espanhol vernáculo)!

Isto dito, porquê MacCain? Sobretudo pelo facto de revelar maior sensatez e realismo no que à política externa diz respeito. Não valerá muito falar apenas das preocupações económicas de cada candidato, porque lido o programa de Obama, ele mantém aprumo nas suas convicções liberais, defendendo os seguros de saúde e não um sistema nacional, uma maior exigência nas escolas públicas (ele produto elitista das Universidades privadas da Ivy League), a baixa de impostos, e não será verdadeiramente por aí que as diferenças serão decisivas.

Já no que respeita à política externa, as diferenças são muito mais importantes. E começando pela economia, Obama propõe a revisão da política fiscal das empresas multinacionais, bem como do acordo NAFTA, propostas essas que são claramente no sentido de proteger a indústria norte-americana da concorrência, augurando-se assim a possibilidade de abrir uma nova guerra comercial entre blocos econonómicos e sobretudo, e consequentemente, prejudicando o acesso dos mercados emergentes e mais emprobrecidos, ao mercado norte-americano e outros. Esta, a medida que primeiramente me causa estranheza, porque efectivamente, constituí a nível internacional, um retrocesso na perspectiva liberal construída pelo partido democrático ao longo de décadas e cujo último pilar, assenta no esforço de Bill Clinton em permitir o acesso da China ao mercado global e a revisão dos acordos GATT, pelo respectivo empenho na emergência da Organização Mundial do Comércio.

As propostas ao nível económico de Obama são assim, mais que susceptíveis de abrir uma nova guerra comercial no mundo, sobretudo em prejuízo dos países emergentes e daqueles estruturalmente agrícolas.

Outra das questões internacionais já aqui debatidas e que claramente me parecem pouco estruturadas, têm a ver com o posicionamento político que Obama já assumiu anteriormente, sobre o papel dos EUA no mundo, muito embora o mesmo tenha tentado esbater mais recentemente, muitas dessa suas posições: veja-se o caso da retirada do Iraque, primeiro incondicional, depois objecto de discussão com as patentes militares (por isso o acusam de ser flip-flopper em matéria externa!). O que me parece evidente é o vazio daquilo que pensa, que esconde em frases hollywoodescas, como aquelas proferidas em Berlim, frente a esquerdistas extasiados e movidos de esperança, nos termos das quais, "(...) The walls between old allies on either side of the Atlantic cannot stand. The walls between the countries with the most and those with the least cannot stand. The walls between races and tribes; natives and immigrants; Christian and Muslim and Jew cannot stand. These now are the walls we must tear down". Bonito sem dúvida, mas inconsequente, porque de tais boas intenções está o mundo cheio e palavras não chegam para que aquelas paredes caiam (não deixa de ser curioso que Obama faça explicita referência a Reagan).

Por isso me parece MacCain, alguém menos espectacular, menos flashy, menos trendy, mas com outro tipo de reserva moral e política, que Obama não consegue demonstrar (apesar da respectiva genialidade retórica e estrelas de Hollywood) reservas essas, que num mundo com grandes desafios, serão fundamentais para continuar a manter os EUA como país essencial à paz e ao progresso económico do mundo. E não me venham com o argumento de que o Senador do Arizona e antigo prisioneiro de guerra, representa um novo modelo de fascismo americano! Quem diz isso, não conhece a realidade política norte-americana e do que ela se faz e depende. Algum político, em sã consciência, vai dar um pontapé nos eleitores envangélicos, que representam mais de 25% da população norte-americana? Atacar isso é atacar por exemplo toda a substância ideológica e política de Martin Luther King Jr.! Ora, ninguém é estúpido e os Democratas muito menos, sobretudo porque todos acreditam e pretendem que Deus, em cima de burros ou elefantes, continue a abençoar a América... E isso terá sempre o meu voto!

May God continue to bless America!

PS: a visões aqui explicitadas são responsabilidade exclusiva do seu autor e não correspondem a uma visão do blog feirafranca, conforme nele se torna manifesto!

LUGAR A VISITAR


Sun Tunnels is located in the Great Basin Desert outside of the town of Lucin, Utah. The work is a product of Holt’s interest in the great variation of intensity of the sun in the desert compared to the sun in the city. Holt searched for and found a site which was remote and empty.

The work consists of four massive concrete tunnels (18 feet long and nine feet in diameter), which are arranged in an “X” configuration to total a length of 86 feet. Each tunnel reacts differently to the sun, aligned with the sunrise, sunset, or the summer or winter solstice. Someone visiting the site would see the tunnels immediately with their contrast to the fairly undifferentiated desert landscape. Approaching the work, which can be seen one to one-and-a-half miles away, the viewer’s perception of space is questioned as the tunnels change views as a product of their landscape.

The tunnels not only provide a much-needed shelter from the sweltering desert sun, but once inside the dazzling effect of the play of light within the tunnels can be seen. The top of each tunnel has small holes, forming on each, the constellations of Draco, Perseus, Columba, and Capricorn, respectively. The diameters of the holes differ in relation to the magnitude of the stars represented. These holes cast spots of daylight in the dark interiors of the tunnels, which appear almost like stars. Holt has said of the tunnels, "It’s an inversion of the sky/ground relationship-bringing the sky down to the earth." This is a common theme in Holt’s work. She sometimes creates this relationship with reflecting pools and shadow patterns marked on the ground,like in her work Star Crossed.

terça-feira, 16 de setembro de 2008

O NOSSO CASTELO E A DISNEY

O anúncio



E o making of



É BONITO!!!

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

o mundo é cândido?

Aparentemente, não, na perspectiva do Economist... É louco!

A CANDURA EXISTE

Pelo menos quando eu via isto.

domingo, 14 de setembro de 2008

É ERRADO TER ESPERANÇA?

Eu não sei se o mundo é candido, se alguma vez o foi, ou se, por sorte, alguma vez o será.
Sei, isso sim, que o mundo quase todo, e em definitivo a grande maioria dos europeus, está cansado e saturado de 8 anos de George W. Bush. E está farto, principalmente, da sua forma de fazer politica internacional e lidar com o resto do planeta.
Aquilo que a Europa e o Mundo procuram é uma nova aborgadem aos inumeros problemas que grassam no mundo, e que nos afectam a todos como a um só. E aquilo que Barack Obama pode trazer é essa abordagem dialogante que descreve num dos post abaixo.
A mim não me preocupa que essa abordagem dialogante falhe. A mim preocupa-me que ela não tenha existido durante os ultimos 8 anos, e continue a não existir no futuro. E as diferenças entre Barack Obama e John McCain são, nesse aspecto, bem claras.
Dizer que a abordagem que Barack Obama preconiza nos coloca mais próximos de uma radicalização do conflito civizacional existente, é afirmar que nao devemos ter esperanca num futuro diferente e melhor.
Eu, como cidadão do mundo, tenho esperança e deposito essa esperança em Barack Obama.

sexta-feira, 12 de setembro de 2008

religião vs.estado vs. razão


Woodrow Wilson foi o 28.º Presidente dos Estados Unidos da América e aquele que pela primeira vez, conseguiu quebrar o tradicional isolacionismo norte-americano em termos de política internacional, envolvendo a partir de 1916 o seu país na Primeira Guerra Mundial, com o envio para a Europa de um corpo expedicionário, que acabou por decidir a favor da “Entente Cordiale” o destino da Guerra. Woodrow Wilson era Democrata e a ele se deve um primeiro vislumbre da arquitectura internacional que passou a ser a tradição do seu partido: o capitalismo promove a democracia, logo as nações democratas (e capitalistas) promovem a paz no mundo, logo, todo o mundo deve ser capitalista.

É assim Woodrow Wilson, que apoiado nesse adágio e num entendimento conhecido como “excepcionalismo norte-americano” – por contraponto à RealPolitik europeia, à sua “raison d´etat” e á diplomacia secreta em que sempre se sustentou - lança no final da Primeira Guerra aquilo que ficou historicamente conhecido como “Os 14 Pontos”, dos quais relevam precisamente, o comércio livre, a liberdade dos mares, e o desarmamento. Tudo isto seria acautelado por uma organização internacional que, literalmente, passou à história como “Sociedade das Nações” e que tinha por bandeira incondicional, a renúncia ao conflito armado, por parte dos Estados que a constituíssem e a aceitação da sua arbitragem nas disputas internacionais, que a partir de 1919 pudessem surgir.

Não creio que valha a pena explicitar, historicamente, tudo aquilo que se seguiu àquele pacote Wilsoniano bem intencionado, consagrado na Sociedade das Nações, bem como referir as sequelas que muitos sofreram até 1989 …

A convocação do que se passava no mundo hà 90 anos atrás, serve aqui para explicitar algumas coisas relativamente a Obama e às expectativas que em torno dele são geradas, a propósito das transformações que, supostamente, o mesmo trará à postura dos Estados Unidos no mundo – há quem acredite, sobretudo na Europa, que a sua eleição trará candura ao mundo e que todas as suas feridas serão por ele saradas … E há quem assim acredite, porque igualmente acredita, que essa candura internacionalista, foi desapossada do mundo por W. Bush…

Caríssimos,

O mundo nunca foi cândido!

E muito menos o será, à medida que as águas se agitam e novos protagonistas se apresentam na cena internacional (Rússia, China). A ideia de que Obama tornará o ar mais respirável é simultaneamante estúpida e perigosa (e tenho certeza de que nem ele mesmo acredita em tal capacidade, pois assim estaríamos a falar de messianismo).

O ar mais respirável em termos internacionais é uma visão estúpida, porque o mundo político de hoje não se resume aos Estados e às boas-maneiras constantes de compilações diplomáticas, executadas em salões de embaixadas. O mundo de hoje, envolve declarações enfáticas e dantescas, sobre aquilo que um pequeno grupo de pessoas pensa a propósito do ocidente e seu modo de vida, e como tal é entendido como uma renúncia a Deus. Declarações semelhantes ou piores em termos do mal que se procura infligir, em nome de uma Teocracia mundial, são constantemente procuradas por grupos radicais, como comprovam os meandros da conspiração para fazer explodir um série de aviões comerciais pelo uso de componentes líquidos, descoberto em 2004 e recentemente julgado no Woolwich Crown Court na Grã-bretenha.

O mundo real hoje, nada tem de candura. E por isso preocupam-me alguns dos sinais mais idealistas que em termos de política internacional se manifestam em Obama e que o mundo, rendido, faz vibrar como a um sino: se a sua abordagem dialogante falha, se o seu apaziguamento não obtém resultados práticos, a resposta do mundo ocidental perante um novo ataque, terá que ser 3 vezes mais dura. Nessas circunstâncias, não haverá lugar para misericórdias! E é por isso que a filosofia de Obama, ou pelo menos a filosofia internacional que a Europa espera que o mesmo concretize (o que é substancialmente diferente) nos coloca mais próximos (e não mais longe!) de uma radicalização do conflito civilizacional latente. O mesmo é dizer: Woodrow Wilson dixit!

Atenta esta conjuntura internacional, o “big stick” uma vez formulado por Theodore Roosevelt é a garantia de que os seus protagonistas estarão avisados das consequências, e não se atreverão a explorar as fragilidades de uma abertura ao diálogo, ou de um idealismo inconsequente, que será sem dúvida aproveitado por quem já é surdo, para ganhar folego e incendiar o resto do mundo.

MacCain nisso, é um tipo muito mais avisado…

quinta-feira, 11 de setembro de 2008

quarta-feira, 10 de setembro de 2008

DE REGRESSO PARA VENCER UM OITAVO TOUR


The Falling Man, fotografia de Richard Drew para Associated Press.

Jonathan Briley, 43 anos, no dia 11 de Setembro de 2001.

terça-feira, 9 de setembro de 2008

why obama vs. maCcain really matters

Bomb plot - the al-Qaeda connection
By Gordon Corera BBC News security correspondent, Islamabad

The liquid bomb plot, which has resulted in three significant convictions for conspiracy to murder, was al-Qaeda's most ambitious attempt to target the West since 9/11.
In recent years the UK has witnessed a spectrum of attempted attacks - ranging from home-grown, unconnected amateurish individuals at one end, to international conspiracies apparently directed by al-Qaeda's leadership at the other.
This plot appears to sit at the far end of the scale in terms of ambition and organisation, although the jury at Woolwich Crown Court failed to reach verdicts on four of the defendants, or on the most serious allegation against the three main defendants that the plot was to bring down airliners.
Senior counter-terrorism officials describe it as the "pinnacle" of a series of continuing threats to the UK that began in 2004 and originate from al-Qaeda in Pakistan.
Eight out of 10 top priority terrorist investigations in the UK have some connection to Pakistan, according to a number of counter-terrorism officials.
Threats have emerged from other parts of the world, including east Africa, and also from entirely self-sufficient home-grown individuals.
But officials say these threats do not have the severity of those coming out of Pakistan. And it is the latter that have the potential to have "strategic impact", say officials.
Western counter-terrorism officials debate the degree to which al-Qaeda remains able to provide real command and control over plots.
Some think this ability has diminished recently but it is clear that the liquid bomb plot does show a strong connection not just to Pakistan but to al-Qaeda's leadership.

Birmingham link
In the case of this plot, the connections to Pakistan were crucial. The ringleader, Abdulla Ahmed Ali, travelled out a number of times. Material for the plot was brought back along with the technology of liquid explosives tested in Pakistan.
In Pakistan, a British man from Birmingham called Rashid Rauf is believed to have put plotters in touch with al-Qaeda's leadership.
Mr Rauf remains at large after escaping from arrest. In a small Islamabad police station, I was shown the case file regarding his escape. Officials put it down to incompetence, claiming they were not informed of his importance.
But back in London, British officials speak of Rashid Rauf being of "immense interest" because of his links to a string of conspiracies.
They think his detention would make a real difference - but privately many officials in both London and Islamabad concede that they are unlikely to ever find Mr Rauf again.
With or without Mr Rauf in a jail cell, officials now have quite a clear idea of how many of these plots have come together.
Individuals have typically radicalised in the UK and later travelled to Pakistan and come into contact with al-Qaeda through a trusted contact.
It is this link-up that means they gain training, motivation and the ability to carry out attacks of a sophistication they would never be capable of on their own.

Evolving threat
We now know of some individuals who planned to fight what they regarded as a legitimate jihad in Afghanistan were guided towards attacking the UK instead.
The suicide bomber Mohammad Sidique Khan, the ringleader of the 7 July attacks in 2005, was one of them. He left the UK in 2004, preparing to die on the battlefield alongside the Taleban - he even recorded a farewell video for his baby daughter.
The draw of jihad in Afghanistan is getting stronger and has easily replaced Iraq as the place where individuals go, seeking to enhance their status by fighting against the West.
And, according to debriefings of senior al-Qaeda detainees, Britons remain keener than any other nationality, including other Europeans, to go to Pakistan and fight - or to seek opportunities to link-up with al-Qaeda.
Once fired up, these individuals set out to recruit followers back in the UK to carry out their attacks.
During the past five years, the threats have evolved in terms of ambition and sophistication, with a shift from amateurish fertiliser-based explosives to sophisticated chemistry based on hydrogen peroxide, a form of hair bleach.
At the same time, the operational security of the plotters has also notably increased.
However, the targets of the plots have remained relatively consistent, including transport and particularly airports and airlines.
But the timetable between radicalised individuals returning from Pakistan and planning their attack has shortened, making investigations harder and more intense for British intelligence and security services.

The connection
There are also tantalising connections between many of those involved in the major plots in the UK.
Mohammad Sidique Khan knew the 2004 fertiliser bomb plotters.
Abdulla Ahmed Ali was in phone contact with the leader of the 21 July failed attack, Muktar Ibrahim.
All three men were in Pakistan at the same time in late 2004. All returned to plan attacks with bombs based on hydrogen peroxide, devices not used before in the UK.
Counter-terrorism officials cannot be sure, but speculate that they may have all been trained by the same al-Qaeda operative.
All of these plots may have been overseen by a man called Abu Obeida al-Masri, the former head of al-Qaeda's external operations who is thought to have died of natural causes earlier in 2008.
He was thought particularly effective at working with Western recruits because he had lived in Europe.
So what does all of this tell us about the threat from al-Qaeda?
It's unclear whether such plots would need approval from Osama Bin Laden or Ayman Al-Zawahiri, the two top figures who are thought to be isolated and hidden away in the Afghan-Pakistan border areas.
There has been a relative lull in high-end attacks but counter-terrorism officials believe it is premature to say al-Qaeda is seriously damaged, particularly when Pakistan's own security situation is so uncertain.
The liquid bomb plot might have been hatched at a time when pressure on al-Qaeda in the tribal areas was reduced.
Officials are concerned that the foot could again go off the accelerator in Pakistan now.
Their hope is to maintain pressure in a way that makes al-Qaeda worry about its own day-to-day survival rather than have the time and space to plan attacks around the world.


Story from BBC NEWS:http://news.bbc.co.uk/go/pr/fr/-/2/hi/uk_news/7606107.stmPublished: 2008/09/09 13:03:27 GMT© BBC MMVIII

domingo, 7 de setembro de 2008

fascismo animal

"A Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) deliberou esta quarta-feira que as televisões generalistas podem transmitir de touradas antes das 22h30, por considerar que não são uma má influência para as crianças.Há cerca de três meses a RTP foi proibida de transmitir a 44ª Corrida TV, a partir da praça de touros em Santarém depois de uma providência cautelar do Tribunal Cível de Lisboa, interposta pela Associação ANIMAL"

fonte: PUBLICO on-line 05.09.2008

O que aqui deve ser relevado como verdadeiramente extraordinário, é o facto de uma associaçãode defesa dos direitos dos animais (repito, dos direitos dos animais, o que é que quer que isso signifique) se arrogar ao juízo universal de determinar, por mecanismo juridico-processual, o que é ou não uma má influência para as crianças. Mais extraordinário ainda, é o facto de algum juíz ainda melhor pensante, haver dado fundamento a tal consideração, inviabilizando institucionalmente, o direito de escolha e de liberdcade de educação que deve ser reconhecido a todo o indivíduo, a todo e qualquer pai...

Serve o presente post para fazer perceber a que ponto, o politicamente correcto, esconde enormes fascismos e de como há uma série de individuos institucionalmente pendurados, que se arroga no direito de pensar por cada um de nós!
Vivam os Touros e as Touradas!

sexta-feira, 5 de setembro de 2008


Everybody Nose - n*e*r*d*, do álbum "seeing signs" editado por interscope records, em junho de 2008.

Obama and the Promise Land

Como nos Estados Unidos, graças a Deus, nunca existiu Socialismo, fosse em que variante fosse (da social-democracia nórdica, àquele de maior inspiração francesa) e como o pressuposto fundacional do país é o individualismo e capitalismo puro e duro – aonde ninguém ousa tocar – é sempre com um certo descanso, para quem perfilha a Direita política, que vê a disputa partidária norte-americana. Independentemente de quem ganhe o lugar de Washington, será sempre o velho capitalismo, quem dominará a terra do tio Sam!

E é por isso curioso ver o modo como toda a esquerda europeia, literalmente, se baba quando alguém pronuncia o nome Obama. Para eles, Obama cicatrizará as feridas do mundo e fará da América (sobretudo, a sua América profunda) um país um pouco mais civilizado (que é como quem diz, europeu). WRONG! A Europa hoje, não conta para quase nada, e pior ainda, conta cada vez menos para os Americanos. O nosso eurocentrismo e o modelo de vida que habitualmente lhe corresponde (e que para mais está falido!) nunca tiveram grande poder de fascínio ou de penetração nos partidos norte-americanos e não é Obama que se atreverá a mudar isso – se efectivamente estiver interessado em ganhar eleições…

O que me espanta, é que essa salivação incontrolada da esquerda por Obama, não considera minimamente aquilo que ele, efectivamente, representa e defende. Em Obama e nos Democratas não há sistema de saúde universal, há companhias de seguro e seguros de saúde; há cheques saúde pela Medicare; há a promessa de baixar impostos e de eliminar programas federais classificados como “big spenders”; em Obama e no partido Democrático, não há golden shares em empresas previamente nacionalizadas, e muito menos empresas estatais nos transportes, na televisão, nas companhias petrolíferas ou outras; não há rendimento mínimo garantido; não há serviço público de educação antes cheques educação, nem subsídios a agentes culturais (há indústria de conteúdos e ai do Estado que se atreva a patrocinar qualquer dos seus propósitos artísticos); há sobretudo a religião em Obama, as elites endinheiradas e bem pensantes do Massachussets e há mais dinheiro junto para uma campanha eleitoral do que alguma vez foi junto em campanhas eleitorais nos Estados Unidos. Com ele estão muitos dos multi-milionários do mundo, a começar por Warren Buffet, o primeiro de todos; mas sobretudo, em Obama e no partido Democrata (ao contrário do que muito gente possa pensar) não haverá nunca qualquer espécie de hesitação em defender os interesses norte-americanos, aonde quer que eles estejam ameaçados e sobretudo, se eles forem ameaçados em solo nacional (como o provam os Democratas Woodrow Wilson/Grande Guerra, Franklin D. Roosevelt/Segunda Guerra e John Kennedy/Vietname).

Assim sendo e estando a sua política enquadrada por aquilo que é profundamente liberal, não negando ele o facto de ser estruturalmente religioso, tendo durante parte da sua vida, trabalhado para paróquias evangélicas como animador comunitário, porque se baba a esquerda europeia, pelo simples pronunciar: Obama? É por ele ser preto? Seguramente que o seu percurso e curriculum, merecem muito melhor apreço que tal tipo de considerações descriminadoras, camufladas em piedade sarcástica. Porque se prostra a esquerda? Rendeu-se ao capitalismo estado-unidense? Ao liberalismo clássico? E com tal rendição, será ainda possível que a esquerda social-democratizante e tão zelosa do seu secularismo, possa um dia invocar a Deus, pedindo também a sua bênção? Poderá um dia Sócrates dizer "... e que Deus abençoe os Portugueses!"?

Se assim acontecer, eu próprio farei de Obama um Santo! Que Deus nos abençoe a nós e à América, JÁ!

CURIOSIDADE

Alguém me sabe dizer se as FARC tem uma barraquinha na Festa do Avante que começa hoje?

MISERÁVEL

Manter em segredo a demissão de Nobre Guedes da vice-presidencia do CDS-PP (ou devo dizer CDS, ou só PP) durante um ano inteiro é obra.
Há que dar mérito a Paulo Portas neste aspecto. De facto, só vejo outra pessoa em Portugal capaz de tal feito, o seu querido amigo Pedro Santana Lopes. Ou talvez não.

Demérito, e falta de nem sei o que, fica para Nobre Guedes, que apresenta a sua demissão e permite que a sua fotografia continue no site do partido por todo este tempo. Será que nao achou tudo isto estranho? Entao eu demito-me, e nao tiram a minha foto do site? E ninguém me veio perguntar porque?
Ah, pois, o Paulinho nao deve ter dito a ninguém. Deixa lá...

Sobre o que penso sobre todo este episódio, que não me surpreende, ja nem me dou ao trabalho de escrever sobre.
O contra senso de dizer que é inacreditável como Paulo Portas continua a fazer politica no nosso pais, é dizer também que o povo não é muito inteligente, mas também não é burro.
Paulo Portas recebeu o primeiro aviso aquando das eleicoes intercalares para a Camara Municipal de Lisboa, vamos esperar pelas próximas Legislativas e Autárquicas.

Miserável...

terça-feira, 2 de setembro de 2008

sexta-feira, 29 de agosto de 2008

ACEITAM-SE APOSTAS

No Terras da Feira de ontem pode-se ler esta noticia

Quem será o político ou o "alguém da alta?
Aceitam-se apostas...


Todo começo é involuntário.
Deus é o agente.
O herói a si assiste, vário
E inconsciente.

À espada em tuas mãos achada
Teu olhar desce.
"Que farei eu com esta espada?"

Ergueste-a, e fez-se.